Browsing Category

Design

artista-moldurapop-renato-kolberg
Artista do Mês, Design

Artista do Mês: confira o trabalho do curitibano Renato Kolberg

Novembro na área e mais uma super entrevista para vocês! Nossa sessão “Artista do Mês” agora é com o designer Renato Kolberg, de 34 anos. Morador de Curitiba, no Paraná,  Renato tem um grande dom para agradar o público jovem da Moldurapop com suas mais de 90 artes disponíveis na sua loja, chamada RenatoKolbergArt. Seus trabalhos passeiam pelas categorias de música, geométricos, patterns, animais… são muitas opções maneiríssimas para dar aquele “tapa” na sua decor!

Bora conferir um pouco mais sobre o trabalho e as qualidades desse profissa? Continue a leitura!
Continue Reading

Fonte: Homedit
Decoração, Design, Dicas, Tendências

5 ideias para adotar cores escuras na decoração

Quando se vive em um país ensolarado, quente, colorido e vibrante como o Brasil, apostar em uma decoração com cores escuras, o “black decor”, parece muita ousadia e acaba-se por optar por uma decoração em tons pastéis e claros. No entanto o escuro sempre foi sinônimo de elegância, classe, minimalismo e também conforto! Confira abaixo as 5 dicas para te inspirar a ousar no decor da sua próxima reforma! Continue Reading

Arte, Design

Pop Art no Brasil: Saiba mais sobre esse movimento!

Falar sobre Pop Art no Brasil é uma missão tão difícil quanto tentar identificar o DNA do rock em cada gênero da música brasileira.

É que esse movimento até hoje inspira não apenas artistas plásticos, mas também músicos, escritores, cineastas, arquitetos, designers. Enfim, todos aqueles que se preocupam em pensar o mundo pelo prisma libertador da arte, de preferência com muitas cores, referências da cultura pop e colagens.

O movimento Pop Art ganhou o mundo e aqui no Brasil não foi diferente. Confira a seguir o desenvolvimento dele no Brasil e suas principais influências até os dias atuais.

Pop Art no Brasil e nos Estados Unidos

Nos dois países, o movimento Pop Art era extremamente crítico; a diferença reside nos “alvos” dessa reflexão.

Nos Estados Unidos, criticava a cultura de massa, o culto às celebridades, o vazio existencial provocado pelo consumismo, manchetes sensacionalistas e o próprio mercado de arte. No território norte-americano surgiu no período pós-guerra, quando a cultura do consumo apresentou um elevado crescimento e o american way of life predominava.

Idealizado por nomes como Andy Warhol, Robert RauschenbergRoy Lichtenstein, surgiu como uma irreverente contestação à cultura massiva nos Estados Unidos e foi rapidamente absorvida de maneira singular por vários países.

Pop Art Movimento

Foto: Tavin Honeyghan

No Brasil em plena ascensão da ditadura militar, o movimento adquiriu um forte aspecto político. Embora constituísse um movimento menos organizado, o Pop Art no Brasil utilizava materiais reutilizados em conteúdos impressos com duras críticas à tortura e à violência da ditadura, assim como reflexões ao cotidiano banal e aos problemas sociais.

O movimento Pop Art no Brasil influenciou ainda diversas manifestações artísticas.

Nas artes plásticas destaca-se Wesley Duke Lee (1931-2010), desenhista e artista plástico que acompanhou as primeiras manifestações de arte pop  em Nova York (EUA). Foi pioneiro na implantação do olhar e da linguagem pop na arte brasileira.

Mas o Pop Art brasileiro ultrapassou o âmbito do pincel e da tinta.

Na música brasileira, a Tropicália é o movimento que mais bebeu da fonte da Pop Art. Em suas criações, alçavam elementos típicos da cultura popular brasileira ao status de arte, ao mesmo tempo em que se opunha à ordem imposta pelo governo militar.

É impossível não falar também do trabalho do carioca Hélio Oiticica, o inventor dos famosos “parangolés”.

Oiticica é considerado um dos maiores expoentes da Pop Art no Brasil. Referencia diretamente esse movimento quando pinta o amigo apelidado de “Cara de Cavalo” abatido pela polícia sob os dizeres “Seja Marginal, Seja Herói”.

Nomes como Rubens GerchmanClaudio TozziAntônio Dias também se apropriaram de suportes e referências usados pelos ícones da Pop Art americana (como silkscreen, colagens, gibis e desenhos animados) para criar obras que denunciavam, direta ou indiretamente, o momento de asfixia pelo qual passava a democracia no país.

Pop Art no Brasil

Obras: “O Filiarcado – Ensaio alquímico com jogos infantis” – Wesley Duke Lee (1999)/ “Tropicalia” – Helio Oiticica (1960) 

Pop Art no Brasil hoje

Nas artes plásticas brasileiras, o Pop Art nunca perdeu força.

Vik Muniz é o representante contemporâneo com suas fotografias cobertas por balas e geleias; Nelson Leirner com sua fixação com bonecos da Disney e até o polêmico Romero Britto, sucesso de público e fracasso de crítica com seus gatinhos estilizados em cores primárias.

Em outros territórios artísticos, o Pop Art ainda está lá, mantendo presença como elemento questionador. Temos, na música, desde o cantor Liniker  e sua “benção do lacre” em prol do empoderamento até Anitta e o clipe de “Bang”, com takes que são puro Lichtenstein.

Pop Art no Brasil

Obras: Vik Muniz/ Romero Britto

Os elementos coloridos da Pop Art também permeiam artigos de decoração e elementos de arquitetura, dando um toque chamativo, aconchegante e moderno aos ambientes. Muitos pôsteres, quadros, molduras, papéis de paredes e até poltronas estilizadas têm como berço a técnica do Pop Art de décadas atrás.

Gostou de conhecer o Pop Art no Brasil? Que tal escolher uma imagem bem pop para decorar a parede da sua casa? Confira este post e solte a criatividade!